Mulheres celebram Barbie inclusiva

Muitas garotas cresceram amando a Barbie, mas para aquelas com algum tipo de deficiência ou problema de saúde, o sentimento era de exclusão e isolamento ao verem uma boneca com a aparência tão diferente da delas.

Agora a criadora de brinquedos Mattel fez uma versão inclusiva da Barbie, incluindo uma boneca sem cabelo, uma com o problema de pele vitiligo, uma na cadeira de rodas e outra com uma perna prostética.

Quatro mulheres com as condições retratadas pela Barbie inclusiva

Louise Lucien, de 40 anos, sofre de alopecia há 14 anos. A gerente de treinamento de software do sul de Londres, diz que levou décadas para aceitar sua beleza sem cabelos e por isso ela ama que a Barbie reflita essa condição que afeta tantas garotas.

Segunda ela:

Eu estava no carro e passei a mão pelo cabelo e senti um maço grande saindo do meu escalpo. Meu coração parou. Tinha duas irmãs mais novas que tinha alopecia desde cedo, mas eu sempre acreditei que eu tinha escapado.

Fui ver o médico um mês depois, que confirmou que eu tinha a condição e foi devastador. Me senti lutando pela minha identidade.

Amo fazer yoga e dançar salsa, mas minha peruca fazia minha cabela suar e coçar. Estava me deixando ainda mais miserável. Eu larguei a peruca, raspei minha cabeça completamente e decidi encarar a vida sem cabelo. Eu achei que as pessoas iam me encarar ou pensar que eu estava doente, mas ao invés disso abri espaço para conversar sobre esta condição. É por isso que a Barbie com Alopecia é tão maravilhosa pra mim.

Sei que durante meu sofrimento da juventude teria sido maravilhoso ver uma Barbie sem cabelo, poder vê-la na estante ao meu lado, poderia não ter feito tudo tão assustador quando eu recebi meu diagnóstico.

Eu queria mostrar aos bullies que eu era capaz

Mãe de dois, Rebecca Legon desejou muito ter uma boneca como essa durante sua infância. A web designer de 38 anos, cresceu com uma perna prostética e ficou emocionada quando sua filha pode brincar com uma Barbie “igual a mamãe”.

Rebecca conta:

 “Nasci em 1980 com PFFD – deficiência focal femoral proximal. É um defeito de nascença raro, ou seja, minha perna esquerda não tinha osso do fêmur, então meu joelho foi preso ao meu quadril. Eu usava uma “perna de pau” reta de madeira a partir dos dois anos de idade, mas era muito difícil andar.

Quando eu tinha oito anos, amputei meu pé esquerdo para poder ter um membro protético dobrado no joelho. Fiquei empolgado por ter uma nova perna, pois isso significava que eu poderia passear pelo playground. Mas as meninas da minha turma me chamavam de “garota com pernas de plástico” e me provocavam.

Me senti como a única garota no mundo que tinha um membro protético, como nunca havia visto mais alguém com um. Não havia bonecas com deficiência. Eu tentei mostrar aos valentões que eu era mais do que capaz, então pratiquei esportes na escola.

Enquanto eu amava cada segundo, isso me fez perceber que, apesar de ter chegado a um acordo com as pessoas olhando e não havendo muita representação da minha deficiência, fiquei irritada por elas. Minha filha ama Barbie, mas eu queria que ela visse diferentes deficiências refletidas.

Por isso, eu sempre mostro meus membros com orgulho e quando vi a nova Barbie, quase chorei. Olive ficou impressionada quando viu. É importante refletir muitos organismos diferentes, especialmente para nós com deficiência. “

Não existe modelo de cadeira de rodas

SAMANTA BULLOCK, 40, acredita que quanto mais as pessoas vêem as deficiências, melhor é para acabar com a discriminação. A estrategista de negócios de Mortlake, no sudoeste de Londres, ficou paralisada após um acidente com armas aos 14 anos e diz que passar pela puberdade em cadeira de rodas foi difícil. Ela conta:

“Nasci no Brasil e pratiquei muitos esportes. Quando eu tinha 14 anos, um membro da família tinha uma arma na mesa da casa. Peguei e disparou e a bala quebrou o meio da minha espinha. Fiquei paralisada instantaneamente.

Quando cheguei no hospital, eu realmente não entendi o que havia acontecido comigo e, mesmo quando meus pais me disseram que eu não podia andar, nunca imaginei que fosse para sempre.

Sempre senti que não havia modelos em cadeiras de rodas e queria mudar isso, então me inscrevi nas agências e tornei minha missão modelar.

Fui modelo na London Fashion Week, na New York Fashion Week e no Dubai Fashion Week, todas na minha cadeira de rodas. A Barbie em cadeira de rodas deveria ter chegado décadas antes, mas estou feliz que ela esteja aqui. ”

Nunca saí de casa sem maquiagem

Joti Gata-Aura, professora, de 41 anos, foi diagnosticado com vitiligo aos 19 anos. A mãe de duas crianças mora em Greenford, oeste de Londres. Ela diz:

“Foi há mais de 20 anos quando notei manchas brancas no braço direito. No começo, eu assumi que era apenas a minha pele descascando.

Eu nunca tinha visto alguém com isso antes, então quando fui diagnosticado com vitiligo e não havia cura, fiquei arrasada. Assim, no ano seguinte, começou a cobrir todo o meu corpo e, quando chegou ao meu rosto, fiquei desesperada. Eu me senti uma aberração.”

Minha auto-estima caiu e fui atingida pela depressão. Eu nunca saí de casa sem maquiagem. Eu passava três horas por dia aplicando. Gastei 20.000 libras em maquiagem e médicos particulares, mas nenhuma quantidade de injeções de esteróides ou cremes fez alguma coisa.

A Barbie com vitiligo é outro passo à frente e eu chorei quando a vi pela primeira vez. Se eu os tivesse visto antes de ser diagnosticada, não teria me escondido ou procurado curas.

Minha filha brinca com bonecas e, embora ela sempre tenha me visto abraçar minha condição, é incrível que agora ela possa comprar uma Barbie com vitiligo.

Fonte: The Sun

Leia mais:

Para mais conteúdos como este acesse Ensino.digital

Conheça aqui o nosso curso de Capacitação em Atendimento Educacional Especializado.

Gostou? Então não deixe de comentar e compartilhar esta publicação!

Comentários