Locutor cego de supermercado anima clientes

Redação Uníntese

Conheça Luan da Silva de Luca o locutor cego, de supermercado no Catumbi, anima clientes e anuncia promoções com imitação de vozes famosas e brincadeiras. Luan tem baixa visão desde a infância, mas não desanimou com as dificuldades.

Um supermercado do Catumbi, na Zona Norte do Rio, tem um funcionário que é a sensação do estabelecimento e querido pelos clientes. Luan da Silva de Luca tem deficiência visual e é a locução oficial do mercado. As promoções são anunciadas com a imitação de vozes famosas e brincadeiras.

Os clientes que convivem com Luan comentam que ele diverte quem passa no estabelecimento.

Como Luan se tornou locutor?

“O Luan ele era repositor e ele começou aos poucos trabalhando como locutor, e foi se firmando. Ele é muito engraçado, exatamente isso que diverte as pessoas. Ele é uma pessoa muito espontânea e brinca com o público imitando vozes”, conta Cesar Rigote, corretor de seguros.

“Aqui a galinha não chora, ela sorri, popopopó”, é uma das brincadeiras que os clientes ouvem no mercado quando Luan anuncia os ovos.

Locutor cego encanta clientes de supermercado no Catumbi, na Zona Norte do Rio
Locutor cego encanta clientes de supermercado no Catumbi, na Zona Norte do Rio

O vozeirão nasceu para isso, por isso o Luan faz bem feito, pois tudo aquilo que você faz bem feito é porque você gosta do que faz.

A doença (retinose pigmentar)

Aos nove anos, Luan descobriu uma retinose pigmentar, doença degenerativa que o deixou com baixa visão. Ele precisou adaptar a rotina para a nova realidade. Continua lutando pela valorização das pessoas com essa deficiência, e luta pela causa visual.

Veja como funciona a retinose pigmentar
retinose pigmentar

“Quando foi passando a idade, com 8, 9 anos de idade eu fui sentando no meio da sala e na frente e não estava enxergando o quadro mais. Me levantava pra poder ler, eu não estava enxergando.

”Então percebi uma mudança radical. No mesmo momento que em que a doença envelhecia. A doença é degenerativa, a sua evolução se tornava mais evidente. Eu tive que parar de jogar vôlei” relembra Luan.

O locutor passou a estudar no Instituto Benjamin Constant, referência no ensino a pessoas com deficiência visual.

Depois de terminar o Ensino Fundamental, conseguiu o emprego no supermercado. Lá, ele conheceu a esposa, Ivete. E ainda ganhou uma enteada, a pequena Ester.

A relação deles é muito boa, de tal forma que Luan sempre quis ter uma filha, no entanto o melhor presente que a gente recebeu foi minha filha.

Ivete esposa de Luan (o locutor)
Ivete esposa de Luan (o locutor)

Ele é muito legal, minha filha adora ele, ele é bem esforçado, já chega brincando com ela, ela chega já quer agarrar ele. E como marido eu não tenho do que reclamar se tivesse que casar de novo eu me casava de novo, não me arrependo de nada”, afirma a auxiliar de operações Ivete.

Além do amor e apoio da esposa, ele também conta com uma rede de apoio

“Eles me deram a oportunidade para seguir em frente. Ele chegava lá em casa ele treinava, ele pedia pra ler o encarte pra ele, lia as promoções, os colegas de trabalho também todos ajudaram ele. Ainda ajudam todo mundo a loja toda é muito acolhedora”, comenta Ivete.

“Todo mundo aqui me ajuda graças a Deus, a equipe aqui é maravilhosa, eles ajudam. Pergunto tudo que eu tenho dúvida e eles me auxiliam. Não só os funcionários os clientes também ajudam, eu gosto da interatividade com os clientes eles são bem amigos mesmo”, reforça o locutor.

Faça como Luan, inspirar outras pessoas com e sem deficiência visual por um mundo mais inclusivo.

Comentários

Open chat